Presos fazem rebelião contra superlotação de presídio em RO

Presos fazem rebelião contra superlotação de presídio em RO

Unidade de Ariquemes tem capacidade para 40 presos, mas atualmente existem 130 cumprindo pena no local. Presídio está cercado por viaturas da PM.

Dezenas de presos iniciaram uma rebelião na Casa do Albergado de Ariquemes (RO), durante a tarde desta segunda-feira (8), contra a superlotação no presídio. Segundo agentes penitenciários, a unidade prisional tem capacidade para 40 presos e atualmente existem 130 apenados cumprindo pena no local, a 200 quilômetros de Porto Velho.

Durante a tarde, os internos divulgaram que dois presos estariam sendo feitos reféns dos apenados da Casa do Albergado, porém na noite desta segunda-feira a Polícia Militar (PM) afirmou que ninguém está sendo feito refém no local.

Para evitar uma fuga em massa do local, oito viaturas da PM cercaram o complexo prisional, que também conta com o presídio feminino.
A Polícia Militar (PM) fez rondas nos arredores da unidade, mas nenhum detento foi recapturado até o fim da tarde deste sábado.

De acordo com o delegado regional do sindicato que representa os agentes penitenciários em Ariquemes, Clebs Dias, a unidade está superlotada e com baixo efetivo de servidores para vigiar os presos.

ARIQUEMES

RONDÔNIA

Enquanto isso, agentes penitenciários estão dentro do presídio tentando negociar o fim da rebelião de forma pacífica.

A rebelião na unidade começou porque os presos estão reclamando da superlotação, segundo informou um agente. A unidade tem capacidade para apenas 40 presos, mas atualmente abriga 130, ou seja, 225% acima da capital.

A Secretaria de Estado de Justiça (Sejus) ainda não se manifestou sobre a rebelião na unidade.

Fuga de apenados
Seis apenados do regime semiaberto fugiram da Casa do Albergado na madrugada desta segunda-feira, em Ariquemes (RO), no Vale do Jamari. Na ocasião, tornozeleiras eletrônicas de monitoramento foram rompidas pelos presos logo após a fuga.
G1/RO

Habilidades

Postado em

09/01/2018

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *